Pandemia

 
 
 
2-4
 
10+
 
60 min
 
Designer: Matt Leacock
Mecânicas: Administração de Cartas, Cooperativo, Pontos de Ação, Coleção de Componentes, Poderes Distintos, Movimento Ponto a Ponto

O

riginalmente publicado em 2007 pela Z-Man Games, Pandemia rapidamente se tornou um dos maiores nomes dos jogos cooperativos. Em 2015, já em sua segunda edição, é finalmente lançado no Brasil pela editora Devir.

Em Pandemia, quatro doenças mortais se espalharam por diversas partes do mundo e os jogadores se juntarão para impedir que elas eliminem a vida na terra.

No início do jogo, os participantes recebem aleatoriamente uma carta de personagem e posicionam seus peões em Atlanta, onde se encontra a base do CCD (Centro de Controle de Doenças). Durante seu turno, cada jogador possui quatro ações que podem ser usadas para viajar entre cidades, tratar cidades infectadas, construir centros de pesquisa ou até mesmo descobrir a cura de uma das doenças. Cada personagem possui uma habilidade única, útil para o objetivo do jogo, tais como a Cientista, que precisa de apenas quatro cartas de cidade para a cura, ao contrário das cinco normais, ou o Médico, que ao utilizar a ação de tratar doenças, cura todos os focos dessa mesma cidade, ao contrário de apenas um.

No final de seu turno, o jogador recebe duas cartas do baralho de jogo (geralmente contendo cartas de cidade) e revela um número de cartas do baralho de infecção igual a intensidade da epidemia atual, para que novos focos de doenças sejam espalhados pelo mundo. Porém, existem algumas cartas espalhadas pelo baralho de jogo que podem por os planos dos jogadores por água abaixo. As cartas de epidemia aumentam a velocidade de infecção e trazem novos focos epidêmicos a cidades já infectadas, podendo causar surtos de uma doença e terminar o jogo prematuramente.

Existem três formas dos jogadores perderem o jogo e apenas uma de se obter a vitória. O jogo termina em vitória caso todas as quatro curas sejam descobertas e em derrota caso o marcador de surtos chegue a última posição do registro de surtos, caso todos os marcadores de uma determinada doença se encontre no tabuleiro, ou se o baralho de jogo se exaurir, impedindo que um jogador compre uma carta no final de seu turno.